segunda-feira, 19 de junho de 2017

FÉ - CRER E VIVER

Fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem.
- Hebreus 11:1

Quando me perguntam sobre o que seja fé, tenho grande dificuldade para definir. A passagem bíblica do início me dá uma boa ideia, mas, pra mim, está longe de fechar uma definição.

Será que é possível definir “Fé”?

Com certeza acharei esse verbete em qualquer dicionário, mas palavras nem sempre são o suficientes para descrever a essência de muitas das coisas no nosso universo.
Ademais, vou ver várias colocações nos diversos livros bíblicos e alcorão, como verei em muitas partes de centenas de outros volumes literários de cunhos religiosos existentes; poderei arguir um número variado de indivíduos e cada um me dará a sua apreciação sobre o que seja fé; encontrarei pessoas declarando-se abençoadas pela fé que discorrerão maravilhas infinitas sobre ela; encontrarei também pessoas outras despossuídas de fé e que possivelmente a desqualificarão, cada um à sua própria maneira; do mesmo jeito acharei inimigos declarados da fé que a detonarão de todas as formas possíveis como algo fantasioso e/ou venenosamente prejudicial à consciência humana.

Se eu for à procura de líderes religiosos, cada um defenderá o seu conceito como regra definitiva, e, mesmo os mais moderados, de alguma forma, logicamente defenderão “seu peixe”.
Aos cientistas do mundo, tenho certeza que a maioria abriria um vácuo maior ainda de descrença, não necessariamente por revolta ou maldade, mas porque aprenderam a ver o mundo somente através de provas materiais e na posição deles é necessário que assim seja.
Aos labutadores da filosofia nem me atrevo a recorrer, pois sei que provocaria uma verdadeira guerra dialética e sairia, provavelmente, com mais dúvida ainda.

Fico então com minhas parcas reflexões pessoais.

Baseando-me na minha paupérrima vivência no campo da fé, poderia dizer que ter fé é simplesmente acreditar. Então, quem crer tem fé. Simples assim!
Porém, algo dentro de mim grita: crer é o começo, mas não é o fim e nem o principal objetivo.
Eu creio que o homem foi à lua. Sim, e daí? O que essa crença acrescenta substancialmente na minha vida?
Observando com cuidado as verdadeiras pessoas de fé, percebo que não só acreditam em algo, mas também vivem aquilo que creem. Uns são mais fervorosos que outros, mas o menos fervoroso vive de alguma forma aquilo em que acredita. Seja a fé em si mesmo, no que tange a acreditar nas suas capacidades; seja a fé em outrem, por achar que as atitudes deste correspondem a algo superior; seja a fé no divino, em Deus, não apenas nos dogmas de uma religião, mas verdadeiramente a fé em algo maior, espiritual, elevado, acimas das nossas condições de meros humanos, não somente acreditando, mas de alguma forma vivenciando isso.

Essas observações ainda não me fizeram fixar uma definição definitiva de fé, mas mostraram-me um pouco da essência deste “algo misterioso” tão almejado e ao mesmo tempo tão combatido.
Ouvi uma vez alguém dizer: - No leito de morte a pessoa verdadeiramente de fé morre de forma tão serena, que mesmo não existindo vida após a morte, essa crença faz muito bem, pois os últimos momentos do indivíduo são felizes.

Sou inclinado a concordar com isso, mas faço um adendo: - e se existir?
*

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Cogitare


Falar o que pensa,
sem antes pensar no que fala
Melhor quando a boca cala,
evitando uma situação tensa.

Pensar no mal,
em vindita, vingança, retaliação
Processo que abala o coração,
Transmuta a mente num caos sem igual.

Pensar no bem,
seja no seu, no meu ou de qualquer outro alguém
Na inconveniência ou no que nos convém
Torna-nos algo que pode ir mais além.
¨

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Fatigatis est

Você enjoou de mim, eu sei. Tudo um dia enjoa... por que seria diferente comigo, não é mesmo?
Você cansou da rotina de estar comigo, acredito que pelo fato de eu ser sempre eu.
Eu não mudo, né? Até melhoro algumas coisas, mas na essência sou sempre o mesmo, sou sempre eu. Não inovo, não renovo, não reinvento, não ressurjo. E você cansou desse mesmo que eu sempre sou.
Enjoou meu toque, cansou da rotina comigo.
Somente não consegue admitir, porque ainda existe sentimento (amor) e isso gera conflito, negação. 
Talvez o amor seja a maior algema do mundo, que nos prende a pessoas e situações da quais não temos mais vontade de lidar, de conviver, de viver.
Não quero ser uma algema, nem elemento que cause nem um tipo de cansaço ou náusea. Mas acho que ser como antes será nunca mais.

Ou será que não?..

quinta-feira, 6 de abril de 2017

REFLEXÃO SUJA

O jeito é admitir... eu sou um lixo!
Decerto um lixo reciclável, que ainda pode (e deve) se tornar algo bom e útil, mas (ainda) sou um lixo. Isso é fato.
E por que essa certeza toda? 
Porque estou constantemente sendo empurrado para junto do lixo. E, pelo menos tecnicamente falando, o que é levado ao lixo é somente o lixo.
Por mais que eu me afaste por um tempo e tenha larga convivência com situações (pessoas) “limpas”, o “destino” logo dá um jeito para que eu volte para o "meu lugar". Voltar para junto de seres (humanos e afins) lixo.
Por vezes reclamei e bradei por esta convivência com esses tipos de indivíduos, me achando relegado, injustiçado... pensando eu ser melhor do que eles (pareço ser), achando que eu mereço estar na companhia de outros seres melhores.
Mas cheguei à dura conclusão que se sou frequentemente (e duramente por vezes) empurrado à companhia destes, é porque sou similar a eles... lixo!
Só me restou admitir, pois se o Universo é perfeito (como dizem), então coloca cada qual no seu devido lugar. E se sou sempre (ou quase sempre) colocado neste “lugar” com esta qualidade de gente, é porque devo ser “sujo” como eles.
Melhor então eu aprender (que nem o Cascão dos gibis) a brincar no lixo.
Mas é difícil admitir... 
*

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

amaR

Se, por acaso, amar é bom
Já que necessitamos amar
Então prefiro amar você
Prefiro tua vida entrelaçada à minha vida
Prefiro tua boca se confundindo com a minha boca
Prefiro tua pele atritando a minha pele
Prefiro teu cheiro exalando com o meu cheiro
Prefiro teu corpo entrelaçado ao meu corpo

Prefiro teu gozo despejando junto com o meu gozo
numa torrente que nos afoga, mas que nos faz ficar mais vivos!

Mas, por que eu prefiro amar você?
Háa... não faça perguntas difíceis

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Apto


Apto
Palavra mágica, vocábulo ansiado
Significa que eu pude, significa que eu posso
Sou apto
Como diz no dicionário, sou idôneo, habilitado, capaz

Sagaz! 

terça-feira, 12 de julho de 2016

μεγαλώνουν


Motivação
Motiva a ação
Ação
Ato de agir

Fingir
Agir sem pensar no devir

Crescer
Vir a ser
Ser, estar sempre
Sempre ser

Seguir
Ir adiante
Avante
Para frente, para cima

Ascenda-te, eleve-se
Plenifique-se
*

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Você...

Não é você que faz meu coração bater
Mas é você que faz com que ele bata com mais vontade a cada dia

Não é você que faz o sol nascer
Mas é você que anuncia a presença dele com o seu sorriso, toda manhã que acordamos juntos, mesmo nos dias nublados

Não é só você que me faz sorrir
Mas é você que enriquece muito mais o meu sorriso com a alegria de estar na sua companhia

Não é você que me faz respirar
Mas é você que me dá muito mais vida quando compartilhamos o mesmo ar e misturamos nossos hálitos

Não é você que me dá vida
Mas é você que me faz querer viver mais para ser um homem melhor
Ser mais homem
Ser mais pra você
*

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Exorzismus

Preciso exorcizar
Expulsar um fantasma que me atormenta e minha angústia alimenta
Um fantasma que me assombra, me persegue e assim implacável prossegue
Uma visagem que arrasta correntes em minha cabeça
Um espectro que aterroriza meus momentos bons
Um demônio que oprime minha alma, que tira minha calma
Uma obsessão soez, que tira minha paz, que meu humor desfaz
Uma perseguição que me oprime, me comprime
Quero exorcizar-te decerto, tirar-te de perto
Que em mim sobre somente a leveza de tua ausência em minha mente
Eternamente
*

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Quem é você?


Quem é você?
que de repente aparece num lapso
faz um mês parecer 1 ano (ou mais)
fez em mim perecer a dúvida de um valor que eu penso não ter
enche os espaços com tua presença
ilumina meu mundo sombrio com teu sorriso
me faz lembrar coisas boas que estavam adormecidas

Quem é você?
Necessidade nova que surgiu
Saudades constantes de tudo o que és
teu corpo, teu escopo, tua aura, teu fogo
teu ósculo sôfrego, ardente, calmante
teu amplexo que envolve, aperta, revigora
teu encaixe lego, simétrico, perfeito

Nossas vidas já pareciam dantes enoveladas
num amálgama constante que demonstram nossos corpos entrelaçados
numa sintonia das nossas mentes emaranhadas
E isso num repente, num momento instantâneo e perene

Por isso pergunto: Quem é você?
Talvez eu já tenha a resposta
*

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Phantasie

A verdade me assusta...
Sim, tenho medo da verdade. Sabe por quê?
Porque não é possível ter controle sobre ela. Temo tudo o que não posso controlar, guiar à minha vontade.
Porém não gosto da palavra mentira. Prefiro fantasia.

Verbo fantasiar!
Eu fantasio
Tu fantas... ops! Não não... somente eu e mais ninguém. Meu mundo, minha fantasia. Eu controlo, eu defino, eu direciono, ela só serve a mim. E pronto!
Fantasiando sou forte, sou rico, sou único, tenho superpoderes, tenho tudo o que quero do jeito que eu quero, tenho até o que eu não sabia que queria há um minuto atrás.
Na minha fantasia não tenho medo.

A verdade... fora, intrusa! Não és bem vida, pois revela minha inapetência, meus fantasmas, meu fracasso... me revela.
Me desvela.
*

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Burla


Eu menti
Menti quando disse que não te amava
Menti quando disse que nossos momentos nunca foram bons
Menti quando disse que não sentia prazer com sua presença
Menti quando disse que nossa vida era uma mentira

Não menti pra você
Não menti pra os outros
Não menti pra Deus
...
Menti pra mim mesmo...

“Mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira”

*

sábado, 11 de outubro de 2014

DESUFANISMO


Pátria mãe gentil
Onde está tua gentileza?
Pátria amada, idolatrada
Nos salve, nos salve
Hóo gigante pela própria natureza
Por que nos esmaga assim?

Quero ouvir do Ipiranga outro brado retumbante
Que retumbe na dignidade de todos nós
Que lembre que somos um povo heroico
Que luta todos os dias para viver
Porque um filho teu não foge à luta

E que o sol da liberdade em raios fúlgidos
Brilhe para cada um de nós, teus filhos 
Para te chamarmos verdadeiramente com nosso grito varonil
Pátria amada Brasil!
¨

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Lumus


E na escuridão se fez a luz
E na treva surgiu a claridade
Quando eu me achava perdido nos campos escuros da desilusão
Quando a esperança tinha se convertido em infortúnio aparentemente perene
Quando eu me afogava numa enxurrada de águas lodosas e sombrias
Quando os caminhos estavam às cegas sem que eu conseguisse enxergar a trilha
Quando a estrada parecia ter uma única via que era o desespero
Quando o único estado d’alma possível era a desolação fria e cortante de forma indelével
Um ponto luminoso surge no breu...
E aumenta... se agiganta... reascende a esperança... reabastece a fé
Faz-me enxergar que para além da doença existe o remédio
Faz-me sentir que para além da tristeza contumaz existe a alegria
Faz-me de novo ver
Faz-me ainda querer viver
*

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Odibilis


Quero você longe de mim
Porque você representa tudo o que me faz mal
Tudo o que é repugnante e odioso
Teu lado sombrio prevalece a qualquer lampejo de luz
És fraco, és infantil, és estúpido e espúrio
A insensatez que te acompanha ofusca qualquer noção de bom senso
A mediocridade te comprime tanto, que te torna menor que um bacilo
És um fracasso...
e um fracasso tão estéreo, que não permite aprender o sucesso
És um doente da alma... o pior de todos os doentes
pois não se mostra com nenhuma possibilidade de cura
És criminoso revel, sem sentimentos, sem carinho...
tens no coração somente seus interesses hediondos
És um perdedor dos piores, pois não apresenta possibilidade nenhuma de vencer
És vazio, és seco, és mesquinho, és NADA...

¨

segunda-feira, 7 de julho de 2014

apparitione



um sonho, um perfume, uma aparição
você surgiu na minha frente
reluziu na minha escuridão
foi um bálsamo para minha dor
invadiu meus vãos, quebrou fechaduras
baixou meus escudos, me deixou vulnerável
me fez acreditar de novo...

teu olhar se cruzou com o meu
e assim me vi enlaçado
fugir é impossível
te querer é inevitável
¨

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Cobra-se


Chegou a hora da cobrança, porque a vida cobra
Mais cedo ou mais tarde somos cobrados
Por tudo
Por nada
Por alguma coisa
Por coisa nenhuma

Desejo de fuga iminente é o que vem à mente

Mas se não tem para onde fugir, para onde ir?
*

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Vita est


A vida passa sem pestanejar
Ela não espera, ela simplesmente flui, acontece
Não importa se estamos bem ou mal
Não importa se somos ricos ou pobres
Não importam muitas coisas das quais damos importância
A vida simplesmente segue como um rio intermitente
Empurrada pelo propulsor implacável chamado tempo
*

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Contingências

Preciso aprender a viver
Preciso aprender a ser homem 
Preciso aprender a apanhar sem revidar
Preciso aprender a andar com minhas próprias pernas
Preciso aprender a viver na dificuldade
Preciso aprender a ser nada para aprender a ser tudo
Preciso aprender a ter nada para aprender a ter algo
Preciso aprender a morrer...
¨

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Voltar ao passado...


O senso comum diz que devemos sempre olhar para frente, seguir em frente... li até uma vez no Facebook uma frase que dizia “andar pra trás, nem pra dar impulso”.
Essa questão, como a maioria das questões humanas, entram no crivo da relatividade. Existem situações em que realmente devemos seguir em frente e deixar o passado para trás, somente conservando as boas memórias. Mas, também existem outras questões em que voltar ao passado se faz uma necessidade, por vezes até provocando impulsos quase irresistíveis a este retorno.
É neste momento em que eu estou. Num momento de retorno, de viagem ao passado. Mas não igual ao passado que já passou. A situação é praticamente igual, mas os personagens com os quais irei me defrontar são diferentes, são outras pessoas, mas com disposições parecidas, e, em muitos, idênticas às pessoas dessa parte do meu passado a que estou retornando.
Eu também não sou mais o mesmo. Não agirei igual àquele outro tempo, mas, com certeza, ainda assim terei algumas atitudes, no mínimo, parecidas (ou talvez iguais). Porém, isso, acredito eu, será a menor parte do todo. No geral, estou diferente, penso diferente e, consequentemente, agirei diferente, pelo menos é o que enxergo nitidamente.
Tenho que voltar e enfrentar essa parte do meu passado, pois este “passado” se faz muito presente na minha vida, quer eu queira ou não. Além de dificultar planos para o futuro. Mas com isso não me preocupo muito, sou mais focado em viver o presente, por isso mesmo desatar o nó deste passado/presente se faz necessário.
Estarei de início com escudo e espada nas mãos. Acredito que não demorarei muito para baixar a espada, mas o escudo levará um pouco mais de tempo. Confiança quebrada não se conserta fácil. E, por vezes, é tão difícil, que chega a beirar o impossível.

Vou-me em frente a este retorno.
 *

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Ter que trabalhar é bom?


Reclamar do trabalho é hábito corriqueiro, principalmente quando começa a anoitecer nos dias de domingo. Acabou o fim de semana e no dia seguinte é dia de voltar ao trabalho.
Os exemplos de pessoas que têm prazer com trabalho são bem poucos, quase raros, pelo menos com as pessoas com as quais eu convivo. E realmente existem trabalhos que são massacrantes, e que torna a sexta-feira um dia de libertação. E o que dizer daqueles que ainda trabalham nos finais de semana? E dos que dificilmente conseguem tirar férias?
No meu último domingo, eu estava com um grupo de amigos que no final do dia já proferiam as habituais queixas de véspera de segunda-feira. E eu, acreditem, senti inveja disso... pois estou há quase 6 meses desempregado.
Percebi então que ter um trabalho (emprego, ocupação) não é apenas uma questão de ter salário (dinheiro) para pagar as contas e outras coisas mais. Óbvio que este é o motivo principal, para a maioria esmagadora que você perguntar por que trabalham, irão te responder: “trabalho porque preciso!”
Mas pra mim, hoje o trabalho é uma questão de identidade, uma referência de vida. Todos dizendo que vão trabalhar no dia seguinte, ainda que alguns reclamassem, e eu... nada.
Queria ter um trabalho me esperando no dia seguinte (segunda-feira), nem que fosse falando mal dele. Quero um emprego/ocupação não só pelo salário, mas para voltar a ter o direito de falar mal do meu trabalho como quase todo mundo. Muito provavelmente isso não acontecerá, pois estando há tanto tempo desempregado, acredito que não terei nem vontade de falar mal do trabalho, e sim, estarei agradecido por tê-lo de volta. A não ser que seja um negócio muito miserável... mas, essa parte pula.

Martin Luther King Jr. disse em seu famoso discurso contra a segregação racial: “Eu tenho um sonho que minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.”

Eu também tenho um sonho. Um sonho de um mundo onde o trabalho honesto e bem pago não faltará pra ninguém. E que também o ato de trabalhar não será algo massacrante. Não digo necessariamente prazeroso, pois prazer nós temos estando com a família, amigos e todas as pessoas que nos são queridas e os trabalhos ásperos no nosso mundo é algo que se faz necessário. Mas que o trabalho nos dê, além de um bom pagamento, alguma satisfação íntima, para que o ato de trabalhar não seja essa coisa que às vezes se torna quase sombria. E que a segunda-feira não seja mais esse dia detestável, e sim, mais um começo de algo importante nas nossas vidas.

“Quando o trabalhador converte o trabalho em alegria, o trabalho se transforma na alegria do trabalhador.” – (André Luiz/Chico Xavier)

Bom trabalho a todos!
*

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ego

Sou uma pessoa difícil de relacionar-se. Algumas pessoas mais próximas a mim discordam. Mas quem sabe mais de mim sou eu. Sou difícil sim, chegando por vezes a ser intransigente.
Para alguém realmente se relacionar comigo, e me refiro à relação direta e ostensiva (amizade verdadeira, namoro, parceria), não basta apenas gostar de mim. Tem que gostar também do que eu gosto. E mais ainda... tem que gostar de quem eu gosto.
Essa intransigência vem do fato de eu não saber administrar conflitos. Quando entro em algum conflito, somente acontecem três coisas: eu me machucar, eu machucar os outros ou as duas coisas ao mesmo tempo. E isso é um monte de merda que eu prefiro evitar. Essa coisa de que os conflitos nos amadurece, fortalece e etc, pra mim é uma grande balela. PRA MIM, falo de mim. Cada cabeça tem seu universo e seus caminhos diferentes.
Não sei porque sou como sou e hoje já não quero mais saber, pois isso já gera um conflito mental muito grande. Simplesmente vou levando a vida nesse meu individualismo funcional e conveniente. Não vejo a palavra ‘conveniência’ mais como um palavrão, como eu via à um tempo atrás, pois já percebi que todos nós temos as nossas conveniências. Pra mim, isso é fato!
Uma pessoa próxima a mim, antagonista frontal desse meu jeito de ser, me disse: “Você vai morrer velho e sozinho.”
Na hora não respondi nada. Depois de um tempo, eu pensei: “Primeiro, que bom se eu morrer velho, pois assim terei tido uma vida longa e espero que saudável. Segundo, tenho medo da doença, do sofrimento e da morte, mas da solidão não.”
A solidão pode ser algo desagradável, triste... admito. Mas, tenho mais medo de companhias incômodas do que de ficar só.
E é na solidão que a gente ouve a voz da própria consciência. Mas disso eu não tenho mais medo, pelo menos por enquanto...
¨

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dia do professor...

Hoje é dia do professor, mas eu não me sinto homenageado. Neste momento, acho que eu nem me sinto mais um professor. 
Exagero? Drama? Pode ser...
Mas cada um reage de formas diferentes nas situações que passam na vida. No momento presente, é assim que eu reajo.
Um chiclete só é um chiclete quando ainda está inteiro na embalagem. Depois que mastigamos e jogamos fora, ele deixa de ser o chiclete e se torna somente uma goma mastigada que é descartada ao lixo.
Assim que eu me sinto... cuspido, descartado, excluído deste status chamado ‘professor’.

Feliz dia do professor para meus ex-colegas e amigos que labutam nesta difícil profissão. E que são mestres não só profissionalmente, mas também são de coração.
¨

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Pungente



Quando a tristeza me abate sem causa aparente
sigo em frente mesmo com o coração dormente
e a mente demente,
pois sei que novamente
em algum momento patente
a alegria de novo se fará presente
desde que sempre se tente
manter a semente
de uma vida feliz, ainda que latente.
¨

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Amor x Aceitação


Já ouvi isso de muita gente: “quem ama aceita.”

Sou frontalmente obrigado a discordar. Amar não implica necessariamente em aceitar. Digo mais, em muitos casos, quem ama é quem menos aceita.
Aceitar o outro plenamente não é uma tarefa fácil, concordo. Mas, pra mim, é o único caminho para uma boa relação. Não importa se o outro está certo ou errado, se quer se relacionar, tem que aceitar e pronto. Mesmo o outro estando “errado”, tem que aceitar "o errado". Obvio que pode-se tentar conversar, contemporizar e etc. porém, jamais impor. Se não dá pra aceitar, simplesmente afaste-se, pois impor o seu modo de pensar e agir para o outro pode provocar um sério problema de consequências desagradáveis e que pode mais piorar as coisas do que ajudar.

Ou aceita ou afasta. Simples? Infelizmente não...
Isso seria simples se não existisse o amor em meio à relação. Pois como eu disse no inicio, quem ama não necessariamente aceita o outro como ele é. E por que motivo isso acontece?... Prepotência? Possessividade? Simples chatice?... Pode ser tudo isso em muitos casos, mas não em todos.
Acredito que quem ama quer o melhor para o ser amado. Problema é que o “melhor” para o ser amado nem sempre corresponde ao melhor para quem ama. Daí nasce um conflito que pode ser pequeno ou até alcançar proporções terríveis, transformado a relação num inferno astral.

O poeta e dramaturgo russo Vladimir Maiakóvski disse “Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que haja falta de amor”.
Sou obrigado a concordar contigo, caro Maiakóvski. Porém, se eu tiver que escolher entre o amor e a aceitação, escolho a aceitação. Melhor mesmo se pudesse ter os dois, mas a vida nem sempre é justa... ou parece que não é.
¨